Museu do Fado
siga-nos em:
Personalidades
 
Alcídia Rodrigues
( 20 Fevereiro, 1912 - 14 Julho, 2007 )
Filha de Luzia da Silva, costureira, e Manuel Augusto Rodrigues, marceneiro, Alcídia Rodrigues Gameiro foi a mais nova de cinco irmãos, nascendo em Lisboa, no bairro de Alcântara, no dia 20 de Fevereiro de 1912.

Filha de Luzia da Silva, costureira, e Manuel Augusto Rodrigues, marceneiro, Alcídia Rodrigues Gameiro foi a mais nova de cinco irmãos, nascendo em Lisboa, no bairro de Alcântara, no dia 20 de Fevereiro de 1912.

Em 1914, em virtude das dificuldades financeiras que a sua família vive, Alcídia parte as Caldas da Rainha onde é acolhida por outra família. Neste local e junto da família de acolhimento Alcídia viveu até aos oito anos de idade. Nesta cidade era frequente acompanhar a mãe adoptiva aos "bailaricos", facto esse que nos relata: “tudo quanto elas cantavam, eu ia para ao pé delas e aprendia os versos todos e depois ia para a minha mãe adoptiva e cantava.” Despertava então, para a jovem Alcídia, o gosto pela música e pela sua interpretação.

Aos 8 anos de idade Alcídia regressa à cidade natal, Lisboa, retomando o contacto com a sua família de origem. Aqui se estabelece e passa por vários empregos, desde costureira (como a sua mãe), a empregada de balcão e empregada num restaurante, até enveredar pela carreira artística, que é traçada da seguinte forma: “…fiz um trabalho de costura e fui entregá-lo à Calçada dos Cavaleiros. Quando passei, ouvi tocar uma guitarra e fui ver… espreitei, era uma casa onde se vendia ginjinha. Os guitarristas iam para lá ensaiar os rapazes e as raparigas. (…) Convidaram-me a entrar para ouvir cantar, disse que não podia pois tinha um trabalho para entregar. Quando vim entrei, aproveitei o convite, era mesmo isso que eu queria.”. Encorajada como o convite para entrar, Alcídia Rodrigues acaba por cantar para o público.

Surge também, neste contexto, a oportunidade de Alcídia Rodrigues conhecer poetas, que lhe escrevem versos, mas aos quais lhes dá uma interpretação muito pessoal.

Aos 16 anos de idade começa então por cantar como amadora, em colectividades e associações, muitas vezes acompanhada ao piano e banjo. Destes locais, destaque para o Avenida-Bar, vindo a estrear-se como profissional, no Café Luso no dia 6 de Fevereiro de 1934. Mais tarde, apresenta-se também nos emblemáticos Retiro da Severa, Capitólio, Café Luso e Café Mondego.

Ainda como amadora integra o elenco de duas peças de teatro que se estreiam no Lisboa Clube, localizado no Bairro Alto. Integrando uma companhia de teatro percorre todo o país e viaja até à Guiné, a convite de Rui Metelo, um conhecido empresário na área. Em entrevista Alcídia Rodrigues acrescentará: “Não aceitei mais contratos devido à família. Queriam que fosse às Ilhas, tive contactos para o Brasil, o Pimentel dizia que o género que cantava era muito bom, cantava fados alegres, mas não pude, tinha a família e tinha que olhar por eles…”.

A sua popularidade alarga-se e passa a actuar em verbenas, colectividades, festas de beneficência e várias casas particulares, com destaque para a do Conde de Burnay. É convidada a interpretar alguns temas de Fado em rádios locais tais como a Rádio Graça, a Rádio Luso e a Rádio Peninsular, Rádio Club Português. Alcídia Rodrigues revela-se então, como uma das mais acarinhadas fadistas, afirmando “fui sempre muito bem recebida pelo público.”

Na Rádio Graça, Alcídia Rodrigues grava o seu primeiro disco de 78 rpm que será comercializado nos Estados Unidos da América.

Em 1946 Alcídia Rodrigues protagoniza um curioso episódio em que, em resposta a um presumível “detractor” do fado, revela todo o seu profissionalismo e dedicação à causa fadista. Este gesto, em notícia na imprensa da época, revela Alcídia Rodrigues como “…uma pequena figura de mulher, todavia sua alma, que ela expande, glorificando-a num arrebatamento espiritual, é enorme, é vasta como a própria alma do povo.” (Cf. “Canção do Sul”, 02 de Março de 1946)

Em “Ídolos do Fado”, Vítor Machado, refere que os fados “Horácio” e “Martinho” são de autoria de Alcídia Rodrigues (Vítor Machado (1937): 49) e de acordo com a publicação “Canção do Sul” somam-se a estes, os seguintes registos: "Fado da Bica", e "Bailarico de Santo António", entre outros. (“Canção do Sul”, 1 Março de 1938). Destaque ainda para a música do “Fado Tradição”, sobre a qual a nos confidência: “Quem popularizou o fado Embuçado, que é o Fado Tradição, música minha e letra de Gabriel de Oliveira, foi o Ferreira Rosa. (…) Gostei que ele fizesse isso.”.

Alcídia Rodrigues é autora de outras músicas que entretanto registou na Sociedade Portuguesa de Autores, desejando que as mesmas tivessem maior divulgação. No seu repertório destacamos poemas de grandes poetas da época, tais como João Linhares Barbosa, Carlos Conde, Gabriel Oliveira, Armando Neves e Raul de Oliveira.

No decorrer da sua carreira foi acompanhada por excelentes instrumentistas, com destaque para Armandinho, Jaime Santos, José Nunes, Casimiro Ramos, Miguel Ramos, entre outros.

A carreira artística de Alcídia Rodrigues revelou na década de 30 um período de grande apogeu, com destaques na imprensa, que lhe atribuíam grandes elogios, registos de uma personalidade simples, alegre, uma voz graciosa e de muita dedicação à sua carreira, "Alcídia é uma fadista autêntica", dirão. Com efeito, neste período, é comum a realização de festas de homenagem aos artistas, semelhante à que decorre no dia 23 de Janeiro de 1949 no restaurante Gingão. Neste almoço de homenagem a Alcídia Rodrigues, confraternizaram nomes como Carvalhinho e Adelina Ramos. (cf. “Ecos de Portugal”, 15 de Fevereiro de 1949)

No âmbito da 1ª sessão do ciclo de homenagens “Eu Lembro-me de Ti”, organizada pelo Museu do Fado em Abril de 1999, Alcídia Rodrigues junta-se a outros homenageados como Adelina Ramos, Gabino Ferreira, Frutuoso França, Augusto Saraiva e Judite Pinto, integrando uma sessão de fados.

Selecção de fontes de informação:

“Guitarra de Portugal”, 08 Dezembro de 1935

“Guitarra de Portugal”, 20 Dezembro de 1936

“Canção do Sul”, 01 Março de 1938

“Canção do Sul”, 01 de Março de 1946

“Ecos de Portugal”, 15 de Fevereiro de 1949

Machado, A. Victor (1937) “Ídolos do Fado”, Lisboa, Tipografia Gonçalves;

Museu do Fado - Entrevista realizada em 26 de Setembro/2006.

Ultima actualização: Abril/2010



stqqssd
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31          
em destaque...