Museu do Fado
siga-nos em:
Personalidades
 
Argentina Santos
( 6 Fevereiro, 1924 )
Argentina Santos não pensava em cantar, conforme conta em entrevista a Baptista-Bastos, quis o acaso que um dia alguém da assistência lhe pedisse para cantar, e assim "entrou numa desgarrada" por brincadeira. Atrás desse pedido outros vieram e o que começou por um mero acaso, acabou por tornar-se um "caso sério" na sua vida...

Argentina Santos cantou, essencialmente, no restaurante de que sempre foi proprietária, A Parreirinha de Alfama.

Para além do seu "cantinho", durante muitos anos apenas aceitou, pontualmente, alguns convites que lhe foram dirigidos para cantar em algumas festas de amigos ou pequenas comemorações.

A fadista Argentina Santos, de nome completo Maria Argentina Pinto dos Santos, nasceu na Mouraria, em Lisboa, a 6 de Fevereiro de 1924. Filha mais nova de 3 irmãos, iniciou a instrução primária, mas pela necessidade de trabalhar não chegou a terminar. Já em idade adulta frequentou aulas para aprender a ler e escrever.

Ainda criança começou por fazer recados e compras para as senhoras do bairro e depois foi trabalhar numa peixaria, onde se manteve até 1950, altura em que abriu com o seu companheiro, a casa Parreirinha de Alfama, uma casa de pasto, rapidamente transformada em Casa de Fado. Neste espaço mantém-se até hoje, acumulando a gestão com a interpretação do Fado, actividade que iniciou passados 3 anos de estar nessa casa. Argentina Santos é viúva e não tem filhos.

Mulher corajosa e de muito trabalho dedicou-se à cozinha do espaço que abriu. Aí se juntavam muitos fadistas para petiscar e cantar e, a pouco e pouco, criaram o ambiente do restaurante que ainda hoje se mantém.

Argentina Santos não pensava em cantar, conforme conta em entrevista a Baptista-Bastos, quis o acaso que um dia alguém da assistência lhe pedisse para cantar, e assim "entrou numa desgarrada" por brincadeira. Atrás desse pedido outros vieram e o que começou por um mero acaso, acabou por tornar-se um "caso sério" na sua vida: para além de proprietária e cozinheira, passou a cantar para os seus clientes sempre que estes lho pediam e, “valha a verdade”, nunca mais deixaram de o fazer.

Por isso mesmo, o grande público do seu país apenas a conheceu quando, pela mão do seu grande amigo e admirador Carlos do Carmo é vista na televisão, nos concertos por ele realizados no Coliseu dos Recreios (1994) e no Centro Cultural de Belém (1998).

A partir de 1994, pontificou ainda em inúmeros programas de televisão, sozinha ou ao lado de Carlos do Carmo, Jorge Fernando, Carlos Zel e a convite de entrevistadores como Júlio Isidro, Júlia Pinheiro ou João Baião.

Posteriormente a essas actuações deslocou-se ao Brasil (a S. Luís do Maranhão, em 1995, a convite de Pedro Caldeira Cabral, e a S. Paulo, em 1999 actuando na Casa de Portugal, com Carlos do Carmo), à Grécia (com Carlos Zel), à Escócia (com Carlos Zel, Rodrigo Félix e Pedro Caldeira Cabral), a França (com Jorge Fernando), à Holanda (com Carlos Zel e Miguel Capucho) ao País de Gales (com Jorge Fernando), a Londres (com Mafalda Arnauth, Carlos Zel e Rodrigo Félix) e a Itália (com Carlos Zel).

A sua Parreirinha de Alfama tem sido cenário de muitos afectos: por lá têm passado grandes poetas do fado e compositores que lhe têm oferecido todo o reportório que possui. E, consciente da importância de ter um repertório próprio, Argentina Santos faz questão de cantar temas exclusivos, à excepção do fado "A Lágrima", de Amália Rodrigues, e do "Lisboa Casta Princesa", do repertório de Ercília Costa, mas popularizado por Lucília do Carmo.

Temas como "A Minha Pronúncia", o "Chafariz d' El Rei", “As Duas Santas” e “Juras” são a sua imagem de marca, os quais foram registados nos seus primeiros trabalhos discográficos, ainda em formato de 78 rpm, gravados para a editora Estoril, logo no ano da sua estreia, em 1953.

Os CDs "Argentina Santos", edição de 1998 da Movieplay, e "Argentina Santos", colecção Antologia, editado pela CNM em 2004, são os mais recentes trabalhos discográficos, duma produção discográfica que não se tornou muito vasta fruto da sua personalidade tímida, mas também do facto do seu companheiro não gostarem de a ver cantar em público nem apoiarem a sua carreira como fadista.

Durante muitos anos a fadista recusou a exposição pública e inúmeras deslocações, participando em poucos espectáculos e cingindo-se às apresentações na sua Casa de Fados e a uma ou outra festa particular. Ainda assim, ao longo de mais de 50 anos de carreira, a fadista cantou ao lado de quase todas as figuras relevantes da interpretação do Fado, uma vez que a sua casa se tornou uma referência para o público de Fado e por ela passaram e actuaram grandes nomes, como é o caso de Berta Cardoso, Celeste Rodrigues, Lucília do Carmo, Alfredo Marceneiro, Maria da Fé ou Fernanda Maria.

Em 1999, no dia 28 de Novembro, foi-lhe prestada uma festa de homenagem no Museu do Fado, tendo tido a cantar para si amigos tão especiais como Rodrigo, Jorge Fernando, Maria da Nazaré, Teresa Tapadas, e, como não podia deixar de ser, Carlos do Carmo. Na altura foi-lhe entregue uma medalha de louvor pelo senhor vereador da Reabilitação Urbana da Câmara Municipal de Lisboa, Engº António Abreu.

No ano seguinte, a 28 de Abril, foi-lhe prestada uma homenagem no Coliseu dos Recreios em Lisboa, onde participaram inúmeros fadistas das várias gerações, que lhe teceram elogiosos comentários, demonstrativos do grande respeito inspirado pela fadista Argentina Santos aos seus colegas. Renderam-lhe homenagem grandes vozes como Carlos do Carmo, Camané, Jorge Fernando, Maria da Fé, Carlos Macedo, Rodrigo e Mafalda Arnauth.

Actualmente canta na sua Casa de Fados e, para além dos seus concertos individuais, participa no projecto de Ricardo Pais “Cabelo Branco é Saudade”. Este é um espectáculo dirigido por Ricardo Pais e estreado no Teatro de São João, no Porto, em Julho de 2005, onde participam, para além de Argentina Santos, os fadistas Celeste Rodrigues, Alcindo de Carvalho e Ricardo Ribeiro. Com este espectáculo tem, também, efectuado diversos espectáculos e inúmeras deslocações nacionais e ao estrangeiro.

A Fundação Amália Rodrigues, na sua primeira atribuição de prémios, em 2005, distinguiu Argentina Santos com o prémio "Carreira".

Nesse mesmo ano a sua casa, a Parreirinha de Alfama, foi também agraciada com o troféu para Casas de Fado entregue no concurso Grande Noite do Fado.

Selecção de fontes de informação:
“Diário de Notícias”, 27 de Abril de 2000.
Baptista-Bastos (1999), "Fado Falado", Col. "Um Século de Fado", Lisboa, Ediclube;
Carita, Alexandra e Jorge Simão (2006), "Fados Nossos", Lisboa, Alêtheia Editores.
Programa do espectáculo "Cabelo Branco é Saudade" (2005), Porto, Teatro Nacional de São João.
Museu do Fado - Entrevista realizada em 8 de Julho/2006.
Dados biográficos cedidos por HM Música.

Última actualização: Março/2009.



stqqssd
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30    
em destaque...