Ao utilizar este site, concorda com o uso de cookies de acordo com a nossa Política de Cookies.

concordo

Conheça melhor:

Teresa Tarouca

(4 janeiro, 1942 - 11 novembro, 2019)

Nascida em Lisboa, a 4 de Janeiro de 1942, Teresa de Jesus Pinto Coelho Telles da Silva é bisneta dos condes de Tarouca e oriunda de uma família ligada à música, sendo prima de Frei Hermano da Câmara, e prima afastada de Maria Teresa de Noronha.

Começa por cantar com 11 anos de idade em espectáculos de beneficência e foi considerada menina-prodígio, durante os anos 50. Teresa estreia-se a cantar o fado com apenas 13 anos, no Salão de Bombeiros de Oeiras. Em 1958 recebe o Prémio Bordalo da Casa da Imprensa.

Assina em 1962 o seu primeiro contrato de gravação com a RCA.

Teresa Tarouca destaca-se pelo trabalho com prestigiados autores: D. António de Bragança, João de Noronha, Alfredo Marceneiro, Pedro Homem de Mello, Maria Manuel Cid, entre muitos outros.

Durante o seu percurso artístico, Teresa Tarouca teve a oportunidade de se apresentar em vários palcos do mundo: Dinamarca, Bélgica, Espanha, Estados Unidos da América, Brasil, Macau.

Em 1973 foi convidada do Festival RTP da Canção, interpretando "Canção verde", de Pedro Homem de Mello, e "Cai chuva do céu cinzento" de Fernando Pessoa. Com este segundo fado, introduziu a poesia de Pessoa no Fado que, até à altura, nunca havia sido cantado.

Em Maio de 1994 comemorou os 33 anos de carreira, num grande espectáculo no Teatro Tivoli, e continuou a cantar regularmente, tendo actuado em 1996 no Coliseu dos Recreios em Lisboa, num espectáculo organizado pela família Câmara.

Actuou em 2003 no “Velho Pátio de Santana”.

Do seu repertório, destacam-se êxitos como "Meu bergantim", "Não sou fadista de raça" e "Saudade, Silêncio e Sombra".

2013 foi um ano de reconhecimento para Teresa Tarouca. Recebeu, em Junho, a Comenda da Ordem do Infante D. Henrique e, emNovembro, o "Prémio Carreira" da Fundação Amália Rodrigues.

Teresa Tarouca acabou por falecer a 11 de Novembro de 2019 mas deixou uma marca indelével no Fado, destacando-se não só a sua qualidade inegável como intérprete, mas também o cuidado na escolha dos poetas que cantava.

 

 

 

 

 

 

  • Mulher Amor Teresa Tarouca (Lima Brumnon / António Chainho)