Ao utilizar este site, concorda com o uso de cookies de acordo com a nossa Política de Cookies.

concordo

20 Março, 2012

Paulo Lajes apresenta

img

POESIA

Paulo Lajes apresenta "Ler Amália" no Museu do Fado

por Lusa 20 Março 2012

 

Amália Rodrigues "é ela própria toda uma literatura", afirmou o ator e encenador Paulo Lajes que quarta-feira apresenta, no Museu do Fado, em Lisboa, o "workshop" intitulado "Ler Amália".

A sessão insere-se no Dia Mundial da Poesia, que se comemora nesta quarta-feira, e para o ator da companhia Cão Solteiro, "a escolha é evidente pelo papel que Amália desempenhou ao levar a nossa literatura ao mundo e ao ser ela própria uma poeta".

De todos os poetas que cantou, dos medievais como D. Dinis ou João Garcia de Guilhade, aos contemporâneos, como David Mourão-Ferreira e Pedro Homem de Mello, aquele que mais cantou foi ela própria.

Amália assina a letra de "Corria atrás das cantigas", que gravou no Rio de Janeiro, assim como de "Lavava, no rio lavava" e "Ai esta pena de mim", entre outras, dos álbuns da segunda década de 1970, passando por "Estranha forma de vida", na década de 1960.

Paulo Lajes afirmou à Lusa que orientará a sessão "num espírito de permuta com o público" e no sentido de analisar "a Amália poetisa, autora de poemas de uma enorme profundidade como 'Estranha forma de vida' e a fadista que escolheu e trouxe os poetas eruditos ao fado".

Como poetisa, Amália "revela grande qualidade, partindo de fórmulas populares que usa com grande mestria e inventiva". "" poesia de Amália aplica-se aquela citação de Vasco Graça Moura, que refere ser 'a lusitana arte de engenho e agudeza'", disse Lajes.

Por outro lado, "Amália tinha uma enorme admiração pelos poetas e, ao mesmo tempo, um certo pudor, e daí tão tardiamente ser ter assumido como autora".

Quando gravou na década de 1940 "Corria atrás das cantigas", no fado Mouraria, Amália não divulgou o autor e, à volta de "Estranha forma de vida", gravado sobre o Fado Bailado, surgiram várias peripécias, incluindo pedir ao cunhado, o ator Varela Silva, que assumisse a paternidade do poema.

O "workshop" realiza-se às 14:30 e será "uma visita guiada pela poesia e a voz de Amália", disse Paulo Lajes que se afirmou "mais um apaixonado pela arte de Amália que um entendido em Amália".

O ator tem apresentado este "workshop" em várias bibliotecas, no âmbito de um programa da Direção Geral do Livro e das Bibliotecas, e voltará a realizá-lo no Museu do Fado, em Alfama, nos dias 28 de março, , 04 de abril, e nos dias 02, 16 e 30 de maio.