Ao utilizar este site, concorda com o uso de cookies de acordo com a nossa Política de Cookies.

concordo

Conheça melhor:

Júlio de Sousa

(01 Agosto, 1966)

Nascido em Lisboa, freguesia de Santos-o-Velho, Júlio de Sousa conclui o curso de Belas Artes com 23 anos e dedica-se à ilustração de revistas e de capas de livros, ao desenho de figurinos para o teatro, à cenografia, à pintura e à escultura, e alcança grande sucesso com as caricaturais de barro e, mais tarde, de bonecos de trapo.

A par destas actividades Júlio de Sousa foi também declamador, compositor e poeta, com vários livros de poemas publicados, entre os quais: “Jogo Perdido” (1956), “História da Menina Triste”, “Saudade Vai-te Embora” (1963) e “Beijei a Lua” (1965).

Foi proprietário de uma casa de fados na Rua da Barroca, que manteve durante uns anos, onde expunha os seus trabalhos e declamava versos, envergando uma capa preta, acompanhado ao piano por Mariana Silva.

É autor de alguns fados, um dos quais imortalizado pela sua irmã, a fadista Maria Amélia, o “Fado da Loucura”. Outro ainda, “Saudade, Vai-te Embora”, criado por Fernando Maurício.

Júlio de Sousa faleceu a 1 de Agosto de 1966.

 

Fonte:

Sucena, Eduardo (1992) “Lisboa, o Fado e os Fadistas”, Lisboa, Vega;

Guinot, M., Carvalho, R., Osório, J.M. (1999) “Histórias do Fado”, Col. “Um Século de Fado”, Lisboa, Ediclube.

 

  • Fado Loucura Mariza, (Júlio de Sousa / Frederico de Brito)