Ao utilizar este site, concorda com o uso de cookies de acordo com a nossa Política de Cookies.

concordo

Conheça melhor:

Ercília Costa

(03 Agosto, 1902 - 16 Novembro, 1985)

Ercília Costa nasceu na Costa da Caparica a 3 de Agosto de 1902. Quando tinha apenas 3 anos a sua família mudou a residência para a Rua Maria Pia, facto que resultou no grande carinho pelo bairro de Alcântara que a fadista afirmou durante toda a sua vida.

Para ajudar na subsistência familiar iniciou a profissão de ajudante de costureira, mas cedo a trocou por uma carreira artística, começando pelo teatro de revista, onde se apresentou ao lado de grandes vedetas como Luísa Satanella ou Beatriz Costa, mas realce-se que registou os seus maiores êxitos e consequente popularidade, na interpretação do Fado.

A entrada de Ercília Costa na vida artística resulta do gosto que desde muito nova tinha em cantar. Ainda adolescente apresentou-se numa audição, em resposta a um anúncio, para integrar o elenco de uma récita a realizar no Teatro São Carlos. Apesar de ter sido uma das seleccionadas o projecto acabou por ser cancelado, mas a qualidade da sua interpretação ficou na memória do actor Eugénio Salvador, que lhe fez um convite para a Companhia do Teatro Maria Vitória.

Já o seu início de carreira como cantadeira de Fado deu-se no ano de 1927, no Teatro da Trindade, onde fez um dueto com Alberto Reis mas, como revelou Ercília Costa ao jornal “Trovas de Portugal”: “Antes mesmo de cantar o Fado já eu cantava em teatro... Na Companhia Almeida Cruz andei três meses pela província contratada como corista.” (cf. “Trovas de Portugal”, 24 de Junho de 1933)

Em 1930 a fadista vence o 1º prémio de cantadeira, no Concurso de Fados do “Sul América”, uma organização do jornal “Guitarra de Portugal”. O intérprete masculino vencedor foi Alfredo Marceneiro, com quem integra, pouco tempo depois, a “Troupe Guitarra de Portugal”, um conjunto de fadistas e instrumentistas que se disponibilizam para digressões pelo país. A este grupo pertenciam, para além dos já mencionados Ercília Costa e Alfredo Marceneiro, os cantadores Rosa Costa e Alberto Costa, e os instrumentistas João Fernandes e Santos Moreira.

Ao longo da década de 1930 Ercília Costa, a exemplo do que já vinha acontecendo com Adelina Fernandes, fará parte das fadistas convidadas a apresentar-se regularmente na interpretação do Fado no Teatro de Revista, substituindo as intervenções de actores no Fado e criando assim um espaço próprio de apresentação dos profissionais do Fado, que será seguido por grandes nomes como Berta Cardoso ou Hermínia Silva.

Destacam-se na sua ligação ao Teatro de Revista as peças “Feira da Luz”, levada à cena em 1930 no Teatro da Trindade; “O Canto da Cigarra”, apresentada, no ano seguinte, no Teatro Variedades, onde Ercília Costa fez um grande sucesso com o tema “Fado Lisboa”, de autoria de Álvaro Leal e Raúl Ferrão; ou, ainda, “Fogo de Vistas”, em 1933, no Teatro Avenida; “Fim do Mundo”, em cena no Coliseu dos Recreios, em 1934; e “A Boca do Inferno”, apresentada em 1937 no Teatro Apolo.

A fadista fez, também, algumas aparições no grande écran, nos filmes “Amor de Mãe”, realizado por Carlos Ferreira em 1932, “Amargura”, “Lisboa 1938” e, por último, na longa metragem “Madragoa”, onde interpretava o papel de mãe do protagonista, personagem a cargo de Carlos José Teixeira. Nesta película de Perdigão Queiroga, estreada em Janeiro de 1952, participavam, ainda, Estevão Amarante, Helga Liné, Silva Araújo, Costinha e a fadista Deolinda Rodrigues.

Ercília Costa exibiu-se ao vivo na rádio, nas emissões da primeira estação de Portugal, a Chiado CT1AA, e em retiros e casas típicas, como o Ferro de Engomar ou o Solar da Alegria, mas cedo teve oportunidade de realizar longas digressões de espectáculos, em Portugal e no estrangeiro.

Assim, logo em 1932, acompanhada por João da Mata, Armandinho e Martinho d’ Assunção, faz espectáculos na Madeira e nos Açores e, em 1936 faz a sua primeira saída do país, para apresentações no Brasil, iniciando uma série de deslocações de longa duração que a tornarão na primeira fadista a internacionalizar-se junto das comunidades emigrantes.

Na sua primeira ida ao Brasil fazia parte da Companhia de Vasco Santana e Mirita Casimiro, mas o seu sucesso foi de tal forma estrondoso que acabou por permanecer uma longa temporada nesse país, regressando apenas no ano seguinte, em 1937, altura em que Lisboa lhe realizou duas festas de homenagem, uma no salão de chá do Café Chave d’ Ouro e outra no Retiro da Severa.

Ainda nesse mesmo ano de 1937, Ercília Costa vai a Paris, para fazer espectáculos na sala Comédie Française nos Campos Elíseos de Paris. Em 1939 desloca-se, a convite do Secretariado de Propaganda de Portugal, aos Estados Unidos, para fazer um espectáculo no Pavilhão Português da Feira Internacional de Nova Iorque, acompanhada por Carlos Ramos.

A esta actuação na grande exposição de Nova Iorque seguem-se dez meses de actuações por inúmeras cidades dos Estados Unidos, apresentando-se a fadista com grande êxito na Califórnia, onde actua em Los Angeles e em Hollywood.

Em 1945 faz a sua terceira digressão para actuações no Brasil, a qual dura quinze meses, e passa por espectáculos em teatros, cinemas e actuações na rádio. Nesta temporada Ercília Costa é integrada, como única artista portuguesa, na Companhia de Alda Garrido.

Muitas vezes apelidada de ”Santa do Fado”, por colocar as mãos em posição de oração, Ercília Costa é hoje pouco recordada, fruto possivelmente da falta de reedição em formato CD das muitas gravações que fez, por estas serem datadas da primeira metade do século XX. Neste formato encontra-se apenas disponível uma recolha das suas gravações com Armandinho, editada em 1995 na colecção “Arquivos do Fado” da Tradisom.

As suas primeiras gravações discográficas datam de 1929, altura em que se deslocou a Madrid para gravar para a Odeon, integrando uma comitiva constituída por Berta Cardoso, Joaquim Campos e Cecília de Almeida, sendo todos os fadistas acompanhados pela guitarra portuguesa às mãos de Armandinho e pela viola de Georgino de Sousa. Posteriormente terá também edições discográficas em Portugal, bem como no Brasil e nos Estados Unidos. O seu último registo discográfico, o LP “Museu do Fado” data de 1972.

Ercília Costa popularizou inúmeros temas como: “Amor de Mãe”, “O Meu Filho”, “Fado Tango”, “Fado Aida”, “Fado Ercília”, “Juro” ou “Fado da Amargura”, sendo também compositora de alguns dos seus maiores êxitos, caso de “Fado da Mocidade” e de “O Filho Ceguinho”, este último vulgarizado no meio fadista como o “Menor da Ercília”.

A fadista resolveu dedicar-se inteiramente ao seu casamento e, sem despedidas, retirou-se totalmente da vida artística em 1954. Ercília Costa não fez mais espectáculos ao vivo até à data da sua morte, em 1985.

 

Fonte:

“Guitarra de Portugal”, 17 de Setembro de 1930;

“Trovas de Portugal”, 24 de Junho de 1933;

“Canção do Sul”, 3 de Novembro de 1934;

“Guitarra de Portugal”, 8 de Outubro de 1936;

“Guitarra de Portugal”, 10 de Setembro de 1938;

“Guitarra de Portugal”, 10 de Junho de 1939;

“Canção do Sul”, 1 de Maio de 1940;

“Guitarra de Portugal”, 1 de Julho de 1946;

Machado, Vítor (1937), “Ídolos do Fado”, Tipografia Machado.

Ercília Costa

Ercília Costa

Ercília Costa

Ercília Costa

Ercília Costa

Ercília Costa

Ercília Costa

Ercília Costa

Ercília Costa, Maria do Rosário Bettencourt

  • Fado Sem Pernas Ercília Costa (Manuel Maria / Guilherme Coração)

Bilhete de Avião | Airline Ticket de Ercília Costa, 1946

Bilhete de Avião | Airline Ticket de Ercília Costa, 1946

Certificado de Inscrição | Registration Certificate, Ercília Costa, Consulado Geral de Portugal, Rio de Janeiro, Brasil | Brazil, 1936

Certificado de Registo de Artistas | Performers Registration Certificate, Ercília Costa, São Paulo, Brasil | Brazil, 1936

Ercilia Costa, Déc. 40

Salão Recreio Popular, Déc. 1940