Ao utilizar este site, concorda com o uso de cookies de acordo com a nossa Política de Cookies.

concordo

Conheça melhor:

Júlio Vieitas

(08 Agosto, 1915 - 08 Junho, 1990)

Júlio Vieitas nasceu em Caldas da Rainha, no dia 8 de Agosto de 1915 e era ainda muito jovem quando começou a cantar o fado. Por esse motivo, resolve aos quinze anos, procurar na cidade novas oportunidades. Emprega-se no ramo do comércio. Aos dezassete anos, Júlio Vieitas canta no “Retiro da Basalisa”, e seguem-se outras actuações em verbenas e sociedades recreativas.

Em 1937 Júlio Vieitas estreia-se como profissional no “Café Mondego”, ao que se seguem apresentações no “Solar da Alegria”, “Café Vera Cruz” e “Café Latino”. Actuou também no “Café Luso”, “Sala Júlia Mendes”, “Café Monumental” e “Cervejaria Artística”.

Integrou, no ano de 1943, uma tournée pelo centro e norte do país com Ercília Costa como empresária, actuando durante algum tempo no “Cinema Olímpia” do Porto, onde também cantou na “Candeia” e no “Solar da Saudade”. Ainda na cidade do Porto, actuou na “Taverna de São Jorge”, no Hotel D. Henrique, na “Cozinha Real do Fado”, na “Casa da Mariquinhas” e no “Rabelo” em Vila Nova de Gaia. Também a cidade de Coimbra recebeu as suas actuações, nomeadamente no “Retiro do Hilário”.

Em 1954 e em 1960 cantou em programas de fados na Emissora Nacional, Rádio Clube Português e Emissores Associados de Lisboa, que contribuíram para a sua projecção artística e para as actuações no retiro do “Caliça”, na “Parreirinha do Rato”, no “Ritz Club”, na “Adega da Lucília”, na “Adega Mesquita”, no “Faia”, na “Nau Catrineta”, no “Paraíso das Guitarras” e na “Parreirinha de Alfama”.

Revela-se como artista-apresentador em 1957, no “Vira de Cascais” e nesse mesmo ano foi um dos primeiros artistas do fado a cantar nos programas experimentais da R.T.P.

Em 1970 voltou a Alfama como director artístico do “Arabita”.

Júlio Vieitas distinguiu-se também como autor de conhecidas letras de fados, algumas delas com música sua, destaque para: “Juventude”, “A Cigana”, “Princesa do Tejo” e “Varina dos Olhos Verdes”.

Registam-se várias gravações em disco, nomeadamente em 1979 quando gravou juntamente com Gabino Ferreira, Júlio Peres, Manuel Calixto, José Coelho e Frutuoso França, o álbum “Fado da Velha Guarda”.

Foi homenageado por diversas vezes. Já depois da revolução de 25 de Abril homenagearam-no na Tertúlia Festa Brava (1979), nas Caldas da Rainha (1985) e pelo grupo " Amigos de Lisboa " (1986).

Faleceu em 8 de Junho de 1990

 

Fonte:

“Canção do Sul”, 01 Janeiro de 1945;

“Ecos de Portugal”, 15 Junho de 1947;

Sucena, Eduardo (1992), “Lisboa, O Fado e os Fadistas”, Lisboa, Vega;

Guinot, M.,Carvalho, R.; Osório, José Manuel (1999) “Histórias do Fado”, Col. “Um Século de Fado, Lisboa, Ediclube;

  • Ser Fadista Júlio Vieitas (Júlio Vieitas / Armandinho)