Museu do Fado
siga-nos em:
Personalidades
 
Lucília do Carmo
( 4 Novembro, 1919 - 19 Novembro, 1998 )
Com as sua interpretações características, Lucília do Carmo tornou populares muitos temas, dos quais destacamos: “Maria Madalena” e Travessa da Palha”, com poemas de Gabriel de Oliveira, musicados por Frederico de Brito; “Anda a Saudade Bem Alta”, também com poema de Gabriel de Oliveira e música de Alberto Costa; e “Loucura”, de autoria de Júlio de Sousa.

Lucília do Carmo, de nome completo Lucília Nunes Ascenção do Carmo, nasceu em Portalegre a 4 de Novembro de 1919, filha de Francisco de Ascenção e de Georgina Nunes.

Iniciou a sua carreira como cantadeira amadora em sociedades de recreio e festas de beneficência em Portalegre. Veio para Lisboa e, ainda como amadora, cantou na Verbena do Pessoal dos Caminhos de Ferro Portugueses, em Alcântara.

Estreou-se no dia 1 de Abril de 1937, no "Café Mondego", em Lisboa, otendo um êxito estrondoso. O seu cartão de profissional data de 29 de Março de 1937 e foi-lhe concedido quando contava apenas 17 anos de idade, graças ao empenho do escritor e poeta Vítor Machado, que nesse mesmo ano a integrou na sua obra “Ídolos do Fado”, e lhe escreveu o poema “Canção de Vencedores”.

Cantou no Solar da Alegria, nos cafés "Mondego" e "Luso" e na "Parreirinha de Alfama".

Participou em programas de fados na Emissora Nacional, na Rádio Graça e na Rádio Luso, sendo através da rádio que alcançou grande notoriedade.

Colaborou em festas de homenagem a vários colegas em Setúbal e em Lisboa, nunca se furtando a qualquer gesto de solidariedade.

Casada com o empresário Alfredo de Almeida, a fadista teve um único filho, em 1939, que viria a herdar os dotes artísticos da mãe, tornando-se no grande fadista Carlos do Carmo.

Nos anos 40 deslocou-se a Lourenço Marques, onde actuou no Casino da Costa, naquela cidade, dando conta o jornal “Canção do Sul” de 16 de Agosto de 1943 que: "De Lourenço Marques chegam as notícias do formidável sucesso alcançado pela popular cantadeira Lucília do Carmo".

Ainda nessa década, Lucília do Carmo fez uma grande digressão artística pelo Brasil. Mas a fadista realizou muito poucas tournées, especialmente após 1947, quando, com seu marido, abriu uma casa de fados em nome próprio, a Adega da Lucília, na Rua da Barroca, no Bairro Alto, que mais tarde veio a alterar o nome para Faia.

A partir desta data a fadista concentrou-se cada vez mais neste seu espaço, onde passou a actuar diariamente, e o qual tornou num dos mais importantes locais de actuação do circuito fadista, onde os clientes podiam sempre contar com interpretações de um estilo personalizado e um timbre característico que tornaram inconfundível o seu estilo de cantar.

Este exemplo, de abrir restaurantes típicos de fado por nomes que se consagraram no universo do Fado será posteriormente seguido por muitos dos seus colegas, como Hermínia Silva, que abre o Solar da Hermínia, Carlos Ramos com A Toca, Adelina Ramos com A Tipóia, ou Fernanda Maria com a casa Lisboa à Noite, apenas para salientarmos alguns dos locais de maior êxito.

De facto nas décadas de 1950 e 60 é neste circuito de casas de Fado que vamos encontrar os mais conceituados intérpretes deste género musical, seja como figuras cartaz da sua própria casa, como parte integrante dos seus elencos, ou mesmo como frequentadores habituais do espaço.

Com as sua interpretações características, Lucília do Carmo tornou populares muitos temas, dos quais destacamos: “Maria Madalena” e Travessa da Palha”, com poemas de Gabriel de Oliveira, musicados por Frederico de Brito; “Anda a Saudade Bem Alta”, também com poema de Gabriel de Oliveira e música de Alberto Costa; e “Loucura”, de autoria de Júlio de Sousa.

Lamentavelmente, Lucília do Carmo não deixou muitos discos gravados, mas os que deixou são referências muito importantes no universo do Fado. Existem em formato CD algumas das suas gravações e o seu nome é constantemente incluído em colectâneas generalistas desta forma musical. Com o seu filho, Carlos do Carmo, gravou dois LPs, “O Fado em duas gerações” e “An Evening at the Faia”, que foram também reeditados em CD.

Por sua própria iniciativa, retirou-se da vida artística com 60 anos, optando o seu filho Carlos do Carmo por deixar o espaço da Casa de Fados Faia, que ainda hoje se mantém em actividade, mas com outra gerência.

Lucília do Carmo faleceu aos 79 anos, vítima da doença de Alzheimer. O seu corpo foi velado na Casa do Fado e da Guitarra Portuguesa, saindo o seu funeral para o cemitério dos Prazeres, no dia 20 de Novembro de 1998.

Considerando a importância de perpetuar a memória desta grande fadista, a Câmara Municipal de Lisboa atribuíu o seu nome a uma rua da cidade, na freguesia de São Francisco Xavier.

Última actualização: Abril/2008



stqqssd
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31            
em destaque...